» Pesquisar

Digite:

» Login

Usuário

Senha

  • Galvânicas Anexo IV

PPRMIP - Programa de Prevenção de Riscos em Máquinas Injetoras de Plástico

A) Princípios Geais:
1. O ingresso à área de risco somente pode ser admitido com a adoção das seguintes medidas de segurança:
1.1. Acesso pela abertura de proteções móveis, dotadas dos dispositivos de segurança mínimos, abaixo especificados, ou pela remoção de proteções fixas, para acessos esporádicos (por ex. para manutenção, lubrificação, etc.). 
1.2. Treinamento dos trabalhadores e controle periódico da manutenção das máquinas após a instalação dos equipamentos de segurança.

B) Objetivo e Aplicação
1. Objetivo
O presente anexo tem como objetivo a proteção do operador das máquinas injetoras (horizontais ou verticais) para termoplásticos e termofixos. Não se aplicam às máquinas de operação manual e fechamento mecânico.

2. Terminologia (ver NBR 13.757)
2.1. Máquina Injetora
Máquina injetora é a utilizada para fabricação descontínua de produtos moldados, pela injeção de material plastificado no molde, que contém uma ou mais cavidades, em que o produto é formado.
Nota: Esses produtos podem ser moldados em termoplásticos ou termofixos. A máquina injetora consiste, essencialmente, da unidade de fechamento, unidade de injeção, sistemas de acionamento e comando.
2.2. Unidade de Fechamento
Unidade que compreende o mecanismo de fechamento, as placas fixas e móvel e a zona definida como área do molde.
2.3. Área do Molde
Zona compreendida entre as placas onde o molde é montado.
2.4. Área de Risco
Área de risco é toda a zona externa ou interna à máquina que coloca em risco a saúde e segurança de qualquer pessoa.
2.5. Mecanismo de Fechamento
Mecanismo fixado à placa móvel, para movê-la e aplicar a força de fechamento.
2.6 Unidade de Injeção
Unidade responsável pela plastificação e injeção do material no molde, através do bico.
2.7. Circuito de Comando
Circuito que gera sinais de comando necessários para o controle de operação da máquina.
2.8. Circuito de Potência
Circuito que fornece energia para operação da máquina.
2.9 Dispositivo de Segurança
Dispositivo que impede o movimento de risco, na área associada à uma proteção, quando esta estiver aberta
2.9.1 Segurança Elétrica
Dispositivo que detecta a posição de uma proteção e produz um sinal que é usado no circuito de comando.
Pode ser composta por um ou dois sensores de posição (fins de curso de segurança, sensores de proximidade de segurança, etc.)
2.9.2 Segurança Hidráulica
Sistema que deve atuar sobre a unidade de potência, impedindo o movimento de fechamento da máquina injetora, quando a proteção que o comanda estiver aberta, através do desvio do fluxo de óleo para tanque.
2.9.3 Segurança Mecânica
Dispositivo que, quando acionado pela abertura de uma proteção, impede mecanicamente o movimento de fechamento da máquina injetora.

2.10. Distância de Segurança
Mínima distância necessária a impedir o acesso, dos membros superiores, à zona de perigo, medida a partir de uma proteção. (ver NBR 13852).
2.11. Movimento de Risco
Movimento de partes da máquina que pode causar danos pessoais.
2.12. Proteções (Portas)
Proteções são dispositivos mecânicos que impedem o acesso às áreas dos movimentos de risco. Para que cumpram efetivamente sua função, devem obedecer aos requisitos da norma NBR 13852. Podem ser:
2.12.1. Fixas
São aquelas fixadas mecanicamente à injetora, cuja remoção ou deslocamento só é possível com o auxilio de ferramentas. Nas proteções fixas os dispositivos de segurança são desnecessários
2.12.2. Móveis
As proteções móveis impedem o acesso à área dos movimentos de risco quando fechadas, podendo porém ser deslocadas e permitir então o acesso a esta área.
As proteções móveis, em função dos dispositivos de segurança aplicados, podem ser classificadas em:
Nível 1 - Proteção móvel, sem dispositivos de segurança.
Nível 2 - Proteção móvel dotada de segurança elétrica, com um sensor de posição de segurança
Nível 3 - Proteção móvel dotada de segurança elétrica, com dois sensores de posição de segurança, que devem ter acionamento simultâneo, isto é, os dois sensores deverão estar monitorando simultaneamente a posição da proteção (porta), em qualquer posição de seu curso de abertura. O funcionamento correto dos sensores de posição, ou seu efeito na unidade de comando, deve ser monitorado pelo menos a cada ciclo de abertura da proteção móvel, de tal forma que uma falha destes seja imediatamente reconhecida e o movimento de risco impedido, isto é, se um dos sensores de posição estiver mal acionado ou quebrado, a máquina deve reconhecer a falha e interromper o movimento de risco.
Nível 4 - Proteção móvel dotada de segurança elétrica com dois sensores de posição e segurança mecânica.
Nível 5- Proteção móvel dotada de segurança elétrica com dois sensores de posição de segurança e segurança hidráulica.
Nível 6 - Proteção móvel dotada de segurança elétrica, com dois sensores de posição de segurança, segurança mecânica e segurança hidráulica.

Obs. 1: A seqüência dos tipos de proteção indica seu grau crescente de segurança, por exemplo, uma proteção do NÍVEL 4 é considerada mais segura que uma proteção do NÍVEL 2.
Obs. 2: Os sensores de posição de segurança devem estar dispostos de modo protegido a fim de impedir sua neutralização involuntária. Recomenda-se a utilização de uma caixa de proteção, de modo a impedir o acesso acidental aos sensores.

3. Localização dos Riscos na Máquina Injetora
3.1 Riscos Mecânicos
· mecanismo de fechamento
· área do molde
· unidade de injeção
· área da descarga de peças
3.2 Riscos Elétricos
· unidade de injeção
· painel de comando
3.3 Riscos Térmicos
· unidade de injeção
· área do molde 
3.4 Riscos Químicos
· unidade de injeção
· área do molde
3.5 Riscos Gerados por Ruído
3.6 Riscos de Queda

· unidade de injeção
· piso escorregadio ao redor da máquina

4.Dispositivos Mínimos de Segurança Obrigatórios
4.1. Proteções Para Área do Molde
4.1.1.Na área do molde devem existir proteções móveis do NÍVEL 4 (portas frontal e traseira). Essas proteções devem ser construídas de forma a reter qualquer material expelido na unidade de fechamento, isto é, as proteções não podem ser construídas com material perfurado, que permita, por exemplo, a passagem de material plástico espirrado do molde.
4.1.1.1.A proteção do lado em que não é possível o comando da máquina injetora (lado traseiro), poderá ser do NÍVEL 3 e, nesse caso, quando da abertura da proteção, o acionamento do motor principal da máquina deve ser interrompido.
4.1.1.2. Devem existir proteções fixas complementares para a área do molde, quando necessário, para respeitarem as distâncias de segurança, definidas na NBR 13852, por exemplo, fechamento superior.
4.1.2. A posição aberta de uma proteção móvel da área do molde, deve impedir todos os movimentos da unidade de fechamento e a função injeção. Pode-se admitir o movimento de abertura do molde, com a porta de proteção aberta, quando não for possível o acesso à parte posterior (traseira) da placa móvel.
4.1.2.1. O acesso aos pontos de risco, resultantes dos movimentos dos extratores de machos ou peças, deve ser impedido.

 

INPAME 2013 - Todos os Direitos Reservados
Desenvolvido por: E.M. PC InfoTech - Soluções em TI.